24
Nov 14

Vales-presente Plus

 

Para comprar, clique aqui http://plusgaleria.com.br/br/47-vales-presente-plus

 

Share

12
Nov 14

Mana Bernardes

 

“A caligrafia é a partitura da emoção”

 

O trabalho de Mana Bernardes é a materialização de seu(s) olhar(es) diante do mundo, das pessoas, das relações, da existência humana

 

Foto: Mauro Kury

 

Poeta, artista plástica e designer são as categorias fáceis de encaixar Mana Bernardes. Designer de relações, produtora de campos perceptivos, compositora de emoções e tradutora de histórias são as menos óbvias ou instantâneas. O trabalho dela não tem fronteiras de linguagem. Mana aplica ao que faz uma energia gráfica contundente com sua fascinação pela vida: forte, espontânea, sensível, livre.

 

Manuscrito por Mana Bernardes

O reconhecimento amplo, nacional e internacional, veio em 2005, quando Mana lançou o vídeo “Conectar- se Pelo Cordão”, exposto na Fondation Cartier, em Paris, e que rodou seis países. Em 2011, publicou o livro “Mana e Manuscritos”, pela editora Aeroplano. A performance e série “Desembrulho Poético”, com direção de Vera Holtz, veio no ano seguinte. Suas joias estão disponíveis em lojas renomadas como as do Museu de Arte e Design (The Museum of Arts and Design – MAD), em Nova Iorque, Instituto Inhotim, em Minas Gerais, Museu de Arte Moderna de São Paulo (MAM), e Museu de Arte do Rio (MAR), no Rio de Janeiro. Além disso, a artista comercializa suas peças em sua própria loja online.

 

Foto: divulgação Tok&Stok

 

Trabalhou em 2009 com 94 mulheres na execução do projeto “Natal da Transformação”, decorando a cidade de Canoas, no Rio Grande do Sul, aplicando sua metodologia social de desenvolvimento autoral. Este ano, a artista teve suas obras expostas na novela “O Rebu”, transmitida pela Rede Globo. Atualmente trabalha no desenvolvimento de coleções para a Tok & Stok, produz o filme “Entrefios”, escreve seus poemas manuscritos e cria metodologias sociais.

 

Reprodução TV Globo

 

Ao colaborar para a exposição Vanitas deste ano, Mana investe em um novo olhar sobre sua própria composição. Em “vidAMORte”, obra exclusiva que produziu por ocasião do convite para integrar a mostra, ela coloca sua criação em uma nova perspectiva ao fragmentar sua caligrafia em mosaicos. O resultado é, no mínimo, provocante.

 

 

Foto: Layza Vasconcelos

 

Em entrevista à Plus Galeria, a artista polivalente tratou, sobretudo, de poesia. Muito além de um gênero literário, Mana encara a poesia como uma condição de existência, um estado poético, como ela conceitua, “um prisma constante através do qual vemos a vida”.

 

Marcellus Araújo

 

Plus – Quem escreve transmite mensagem. O que você transmite?

Mana Bernardes – Para mim a coisa mais importante é transmitir um estado poético, que é um estado de ampliação dos significados. Meu trabalho como poeta é muito para mim e muito para o outro, para estabelecer relação e ampliar a percepção, o campo perceptivo.

 

Plus – O que sensibiliza você e move seu trabalho?

MB – Me inspiro muito no estado de vida, acho uma poesia estarmos vivos. São tantos órgãos funcionando ao mesmo tempo, tantos sistemas complexos funcionando em harmonia constante… Acho isso um presente! Busco conexão. Há mais de vinte anos a escrita manual me dominou de maneira que não pude resistir. Comecei por cadernos, invadi as paredes, os vestidos. Entendi a caligrafia como partitura da emoção e fui totalmente guiada por ela. A partir da minha escrita é que detecto meu estado emocional, tanto pela letra como pelo que sai, se é que posso chamar de poesia. Poderia chamar também de material reciclado do meu corpo.

 

Plus – Como se dá essa busca?

MB – Muitas vezes fico com um poema engasgado, e fico até as duas horas da manhã escrevendo. Às vezes fico dois meses sem escrever. Poesia é um estado poético, é um processo, é uma possibilidade de processar suas relações com tudo o que se passa. É muito mais um processo terapêutico do que o fato de eu ser poeta, porque isso quem diz é o outro.

 

Plus – Como você entende seu estado poético?

MB – É ver o que cada coisa e cada situação na sua vida pode te trazer. O estado poético é uma forma de passar pela vida, estou muito mais ligada em estado poético do que propriamente em poesia.

 

Plus – Como é seu processo produtivo?

MB – Tenho uma equipe muito boa, Rey Silva, que é designer de produto e meu assistente, coordena o meu atendimento, além disso, conto com a Lu e a Tatiana, que são pessoas completamente conectadas comigo. Não é fácil para mim, nem para o meu corpo, tantas mudança de canais. Minha mãe diz que eu sou uma designer de relações. O produto para mim é a última coisa. A relação é que possibilita tudo. O desenho do objeto em si é a última instância. O que eu gosto é de estudar relação, ir à fábrica, estabelecer relação com quem está lá. Eu escrevo poesia na fábrica, para que as pessoas estejam totalmente integradas quando vão produzir a minha peça, porque ela tem um objetivo poético, além da questão ambiental. Eu nunca mando um desenho para a fábrica, eu gosto de desenhar o processo.

 

Plus – Como você reconhece e significa aquilo que faz?

MB – Eu deixo um pouco as pessoas me colocarem nesses lugares e categorias. O poder de transformação é a joia do ser humano. Eu busco fazer um trabalho que veja a preciosidade do outro. Minha pretensão é trabalhar com preciosidades. Hoje o mundo precisa dessa dimensão de preciosidade e valor. Meu trabalho com as joias envolve o processo de pesquisar e transformar lixo em joia, mas o grande barato é o que eu faço com isso, motivando as mulheres artesãs das comunidades que eu atendo. Atuo na escuta das histórias de vida delas, e com alguns pedaços de arame elas criam formas para simbolizar suas histórias. Assim iniciamos o processo que termina quando elas constroem uma coleção artesanal autoral do grupo. Hoje, depois que tantos processos já se inauguraram há mais de vinte anos, já que comecei criança, meu lance é fazer poesia, processos coletivos, joias, instalações, objetos em redes industriais, lojas, galerias e museus com os quais estabeleço uma relação de confiança. Tudo que faço vem do manual, permite o tempo do mistério. Sai despadronizado e desse jeito acho meu eixo e desfaço meus problemas.

Manuscritos por Mana Bernardes

Site oficial da Artista   manabernardes.com
Obra (original emoldurado) de Mana Bernardes na PlusGaleria.com 

 

 

Share

16
Oct 14

VANITAS MMXIV

Design: Marcellus Nishimoto (Volucer)

 

Mais infos aqui  https://www.facebook.com/events/1483118768579626

RELEASE

Exposição reúne obras de artistas brasileiros para discutir intolerância e preconceito 

Quinta edição da Vanitas vai contar com obras inéditas de vinte artistas renomados de diversos estados 

No dia 2 de novembro, domingo, será realizada a quinta edição da Vanitas, exposição que discute a morte por meio da Arte, promovida tradicionalmente no Dia de Finados pela Plus Galeria. Vinte artistas de diversas partes do País participam da mostra deste ano, com obras que discutem, além da finitude da vida, a intolerância e as diversas formas de preconceito. O evento será realizado na loja Mapi 49, localizada no Setor Sul, em Goiânia. 

São expositores desta edição os goianos Oscar Fortunato, Rustoff, Wolney Fernandes, El Mendez e Lupe, radicada no Rio de Janeiro; a carioca Mana Bernardes, os paulistas Zé Otávio, Thais Ueda, Rage, Sabrina Eras, Nick Alive, Carlos Rezende, Leandro Dário, Mariana Martins e Fernanda Guedes — que expõe também obras do projeto “Tara”, em parceria com Tony de Marco; os catarinenses Nestor Jr e Ramon Rodrigues; a potiguar Sabrina Bezerra e o mineiro Leo Brizola. 

Mana Bernardes e Mariana Martins são dois dos nomes nacionais que a Vanitas 2014 traz este ano para Goiânia. Mana ficou conhecida do grande público pelos seus trabalhos em parceria com a Tok Stok, e mais recentemente pelas obras expostas na novela “O Rebu”, que foi ao ar entre julho e setembro pela Rede Globo. Já Mariana, filha do grande mestre brasileiro Aldemir Martins, é fundadora da Choque Cultural, uma das mais influentes galerias de arte do país. 

O mineiro Leo Brizola também participa desta edição. Leo estudou na Escola Guignard, em Belo Horizonte, e é conhecido por seus polípticos em grandes formatos pintados com tintas que ele mesmo confecciona. Hoje o artista, que tem mais de trinta anos de carreira, é curador do Galpão Paraíso, espaço que trabalha com artistas coletivamente, promovendo cursos e exposições na capital mineira. 

A Serigrafada Plus também será realizada durante o evento, por Oscar e Rustoff. Happening já tradicional da galeria, têm o valor de R$ 25 cada aplicação. Qualquer peça de vestuário pode ser serigrafada, desde que seja de algodão. 

 

Obra de Mana Bernardes, especial para Vanitas MMXIV

Morte e intolerância

Este ano a exposição tem uma curadoria mais ampla, e busca questionar, além da vaidade e a brevidade da vida, a igualdade e o respeito. A curadora responsável pela Vanitas, Lydia Himmen, acredita que a caveira seja um símbolo capaz de aglutinar todas essas provocações. 

“Muito se fala do que o outro faz ou deixa de fazer. Estamos caminhando para uma ditadura do corpo e da mente, quando deveria ser exatamente o contrário. O que precisamos é de educação para nos libertar, não de leis para nos aprisionar”, afirma Lydia.

Vanitas

‘Vanitas’, em latim, significa ‘vazio’, ‘futilidade’ e simboliza o vazio do que é efêmero, das coisas terrenas. É o vocábulo latino que, no português, está tanto na origem do substantivo ‘vaidade’ quanto na do adjetivo ‘vão’. 

É possível, assim, entender a maior parte das naturezas mortas não apenas como demonstração de virtuosismo artístico, mas como alegorias morais, mensagens que lembram ao ser humano a passagem do tempo e, sobretudo, a certeza da morte e transitoriedade da vida. 

Plus Galeria

A Plus Galeria tem o propósito de democratizar o mercado artístico, explorando novos mercados e novos públicos consumidores. Vende obras de diversas técnicas, tamanhos e preços, todas 100% feitas pelos próprios artistas, para pessoas das mais variadas idades e lugares do país e do mundo. 

Fundada em 2010, a Plus vem consolidando ao longo do tempo seu papel de formadora de apreciadores e investidores em arte, e de fomentadora de um mercado mais justo e criativo para criadores e consumidores. 

Mapi 49

Ao reunir no mesmo espaço bicicletas, skates e móveis desenvolvidos por designers cariocas, além de peças de roupa e acessórios, a Mapi 49 permite uma experiência de consumo consciente e integrada, e oferece um ambiente aconchegante para seus clientes. 

Links 

PlusGaleria

www.plusgaleria.com.br

www.plusgaleria.com.br/blog 

Mapi

www.facebook.com/Mapi49

 

SERVIÇO

O quê: Exposição Vanitas 2014

Quando: 2 de novembro (domingo), das 16 h às 21 h

Onde: Mapi 49 (Rua 113, nº 49, Setor Sul, Goiânia-GO)  - GOOGLE STREET VIEW

Quanto: Entrada franca. Serigrafadas a R$ 25,00 (cada). Obras de Arte à venda.
Bebidas e comidas à venda.

Artes de Oscar Fortunato (serigrafia) para Vanitas

 

 

 

 

Artes de RUSTOFF (stencil) para esta edição

 

 

Assessoria de Imprensa
Lambada Comunicação
Marcellus Araújo
(61) 9156-7979

 

 

MANIFESTO VANITAS MMXIV

Por Tarik Hermano

Uma caveira ronda nossos espelhos. Os esqueletos quebraram as portas dos armários e estão dançando em plena sala de jantar. Olha, eles nos convidam a entrar na roda.

Nus, com a menor de nossas vergonhas de fora, dancemos. O banquete está servido e os vermes não se fartam nunca. Não tenham pressa, há lugar para todos – bem ali, no menu principal.

Não adianta fugir, todos seremos parte deste banquete. Assim é a vida e todo o resto é vaidade. Aproveita bem teu reflexo no espelho enquanto há tempo. A caminhada decadente retornando ao pó não para nunca.

Nas mãos de Perseu, a cabeça de Medusa sorri e transforma em pedra os que param para apreciar a mais famosa das Górgonas. É tempo de apedrejar mãos que afagam. Todos somos feras nessa terra miserável e agora é momento de contemplar a viagem.

O tocar das trombetas faz meu esqueleto chacoalhar, Yorick se junta à mesa e conta piadas. Caronte, à beira do Estige hasteia seu Jolly Roger enquanto aguarda a próxima viagem.

Toma um fósforo, acende o teu cigarro. Não adianta olhar para trás. Respire fundo e continue a caminhada. Afinal, diz a boa educação: quando a morte lhe sorri, o mínimo que se deve fazer é sorrir de volta.

 

Vanitas, Tempus fugit. De Lupe Vasconcelos

 

Share

25
Sep 14

Wolney Fernandes

Para conhecer mais, clique aqui   http://plusgaleria.com.br/br/44-wolney-fernandes

Share

24
Jul 14

Ramon Rodrigues

 

Ramon is a Brazilian artist, one of the greatest names in his generation of woodcut printmakers. Having studied drawing, painting and printing in both Brazil and Argentina, he perfected his technique with discipline and hard work. From the drawing, to the carving, to the printing, there he is, with a steady hand and the silent patience, so particular to print masters. Slow and steady.

 

“Isn’t it China ink?” – that’s a common reaction the those who first get to know his work. The level of details, the subtlety of his lines, the shadows, the lightness of his strokes and all of his work can really make one question if it really is woodcut. When one gets the chance to see Ramon carving, one can get a feeling that he is actually using a brush, for the wood seems to simply stand aside for him, as all great men in their craft, he makes it look easy.

Ramon’s works are available at PlusGaleria.com

Share

15
Jul 14

TARA

 

Artistas se reúnem para explorar o erotismo

TARA é uma dupla amorosa, criativa, sexual e colaborativa. Reconhecidos no Brasil e no exterior, Fernanda Guedes e Tony de Marco levam arte e sexo para a rua

“A sociedade precisa de arte erótica como precisa de sexo”. É assim que Fernanda Guedes e Tony de Marco definem o que os motivou para criarem a TARA. O foco dos artistas plásticos, ambos de São Paulo, é explorar os limites da sexualidade. “Precisamos provocar o público, sair da nossa zona de conforto”, dizem os artistas.

A arte e o sexo servem de inspiração para a dupla criativa. “Nos inspiramos um no outro, em nossas fantasias. E também em artistas como Tomi Ungerer, Egon Schiele, Madonna, Richard Kern, além de gifs animados, anúncios de prostitutas e de videntes”,  contam.

 

TARA consiste em desenhos que unem os traços sinuosos e sedutores de Fernanda com as letras genuinamente urbanas de Tony. A Street Art é o suporte escolhido para a projeção das ideias da dupla. “A rua e a internet nos permitem o contato direto com o público.” afirmam.

Além dos espaços públicos, os desenhos da dupla TARA estão disponíveis na Plus Galeria (www.plusgaleria.com).

 

Fernanda Guedes

A artista plástica Fernanda Guedes retrata o comportamento e as emoções humanas, sobretudo as femininas, em desenhos e pinturas. Suas figuras de traços precisos são facilmente reconhecíveis em campanhas publicitárias e editoriais de moda. Amor, sexo, feminilidade e poder são temas recorrentes de suas criações.
Ganhadora do Prêmio Abril, desde 2008 expõe seus trabalhos em cidades como Brasília, Florianópolis, Goiânia, Rio de Janeiro, São Paulo, Los Angeles (EUA) e Sidney (Austrália). Começou a pintar nas ruas de São Paulo em 2014.

Tony de Marco

Tony de Marco é artista plástico, fotógrafo e type designer. Foi premiado no Linotype International Type Design Contest com a fonte “Samba”, usada pela Nike na camisa da seleção brasileira de futebol em 2014. Seu ensaio “São Paulo No Logo” foi exposto no Design Museum, em Londres; Nederlands Fotomuseum, em Roterdã; e Expo 2010, em Shanghai. Pinta nas ruas de São Paulo desde 2005, apenas com rolinho e latex, sob o nome Pixotosco.

Plus Galeria

De natureza online, a Plus Galeria reúne 17 artistas brasileiros, e abrange colecionadores experimentados e iniciantes do Brasil e do exterior. Com escritório sediado em Goiânia, a Plus entrega grátis qualquer obra no mesmo dia para a capital goiana, em até 24h para o Distrito Federal e interior goiano e em até 7 dias úteis para outras regiões do País.

Sigam a TARA no Instagram http://instagram.com/tara.art.br 

 

Marcellus Araújo
Assessoria de comunicação e imprensa Plus
marcellus.sigma@gmail.com
(61) 9156-7979

Share

13
May 14

#PLUS4ANOS COLECIONADORES

ARTE

TRABALHO

CULTURA

AMOR

Dia 10 de maio de 2014, A Plus completou 4 anos sustentada nestes pilares.

Trabalhamos de forma Ética, Profissional e Independente.

Somos o que acreditamos!
E acreditamos que Arte é fruto de muito trabalho, e que Arte tem a ver com amor. Não com paredes.
Acreditamos que comprar Arte é mais do que gastar, é investir. Que gostar de Arte é mais do que apreciar, é ter. E que consumir Arte é mais do que ter, é pensar.

Acreditamos em quem valoriza o nosso trabalho, promovendo assim a construção um mercado justo, democrático, às claras, e livre de tudo que não seja trabalho!

E para comemorarmos junto com quem sempre soma conosco, queremos conhecer o seu acervo Plus.
E mais: ajudar a incrementá-lo <3

Para tanto…

REGULAMENTO

- Fotografe, de forma criativa, suas obras da Plus ambientadas;

- Poste no Instagram com a hashtag #Plus4anos (se sua conta for privada, não conseguiremos ver suas fotos, nem com a marcação);

- Todas as fotos serão avaliadas pelo editor da Taschen, Julius Wiedemann (é ele quem vai escolher a foto ganhadora) , e o prêmio para a melhor foto será um vale-compras no valor de R$ 500,00 para ser usado na PlusGaleria.com 

A PREMIAÇÃO

- Caso as obras escolhidas pelo(a) ganhador(a) não alcancem o valor total do prêmio (R$ 500,00), não haverá ressarcimento da diferença.

- Se as escolhas ultrapassarem o valor total do prêmio (R$ 500,00), cabe ao ganhador(a)  completar o valor.

- O envio é por nossa conta. 

POSTAGENS

- Não há limites de postagens por participante.

- Fotos antigas e já postadas também valem (não se esqueça de adicionar a hashtag #plus4anos)

- Fotos de camisetas não valem.  

DURAÇÃO: das 14h do dia 13 de maio às 08h do dia 19 de maio de 2014.

JULGAMENTO: 19 e 20 de maio.

ESCOLHA DO PRÊMIO pelo(a) vencedor(a): 21 a 23 de maio.

ENTREGA (envio) da premiação:  26 de maio.

 

TIM TIM!

 

 

Nossa ganhadora foi:

 

 

 

A entrega da premiação à vencedora aconteceu no dia 25 de maio de 2014

 

Share

16
Apr 14

SERIGRAFADA PLUS na MAPI

Plus Galeria e Mapi 49 integram arte, moda e design em nova edição da Serigrafada

Exposição inédita também fará parte do evento

Uma nova edição da Serigrafada Plus será realizada no próximo dia 26, sábado, das 16h às 21h. A loja Mapi 49, em parceria com a Plus Galeria, idealizadora do evento, vai receber os artistas plásticos Oscar Fortunato e Rustoff para uma nova oportunidade de integrar arte e moda no mesmo lugar. Nesta edição a Serigrafada contará com uma exposição inédita da galeria, planejada especialmente para o evento. A música fica a cargo dos DJs Outsider e Janaína Jordão mais discotecagem em vinil de Alexandre Perini.

“Com a realização da Serigrafada na Mapi, nossa intenção é reforçar um movimento cultural no Setor Sul, que vem acontecendo naturalmente. As pessoas já passeiam de bicicleta nos fins de semana e sempre tem gente fotografando os graffitis e intervenções urbanas do bairro”, destaca Lydia Himmen, marchand da Plus Galeria e curadora da exposição.

Segundo ela, a região concentra grande quantidade de intervenções artísticas e ações espontâneas. “A área do setor e bairros próximos é muito rica, não graças a esforços do poder público, mas sim de artistas da nossa cidade, que vêm transformando o bairro na região cultural de Goiânia”, avalia.

Serigrafada Plus
As Serigrafadas são eventos tradicionais da Plus Galeria, e têm, desde o início, o valor de R$ 20 cada aplicação. Qualquer peça de vestuário pode ser serigrafada, desde que seja de algodão. Já as impressões com stencil, feitas por Rustoff, podem ser aplicadas também nos outros tipos de tecido.

Plus Galeria
Fundada em 2011, a Plus Galeria comercializa arte brasileira, utilizando a internet como possibilitadora de novos mercados e novos públicos consumidores. Com o propósito de democratizar o mercado artístico, a galeria vende obras de variadas técnicas, tamanhos e preços, todas 100% feitas pelos próprios artistas, do começo ao fim, para pessoas das mais variadas idades e lugares do país e do mundo.

Há quatro anos em atividade, a Plus Galeria vem consolidando seu papel de formadora de apreciadores e investidores em arte, e de fomentadora de um mercado mais justo e criativo para quem cria e para quem consome arte.

Mapi 49
Ao reunir no mesmo espaço bicicletas, skates e móveis desenvolvidos por designers cariocas, além de peças de roupa e acessórios, a Mapi 49 permite uma experiência de consumo consciente e integrada, e oferece um ambiente aconchegante para seus clientes.

Links

PlusGaleria
www.plusgaleria.com.br
www.plusgaleria.com.br/blog

Mapi
www.facebook.com/Mapi49

SERVIÇO
O quê: Serigrafada Plus Galeria e Mapi 49
Quando: 26 de abril (sábado), das 16h às 21h
Onde: Mapi 49 (Rua 113, nº 49, Setor Sul, Goiânia-GO) – GOOGLE STREET VIEW
Quanto: Entrada franca. Serigrafadas a R$ 20,00. Bebidas e comidas à venda.

Assessoria de Imprensa
Lambada Comunicação
Marcellus Araújo
(62) 9214-8496
Fred Leão
(61) 8175-2650

Artes de Rustoff, STENCIL, nas respectivas cores das fotos
Artes de Oscar Fortunato, SERIGRAFIA
Share

22
Mar 14

Ramon Rodrigues

Xilogravura de Ramon Rodrigues, 76 x 53 cm. 2014

 

Ramon Rodrigues é um artista de Florianópolis que trabalha com gravuras em madeira. Sua formação se deu em Buenos Aires e sua cidade natal, e passa pelo desenho e pela pintura, chegando, finalmente, à xilogravura. A técnica é um clássico na história da arte, usada por artistas como M. C. Escher, Pablo Picasso, e tantos outros. Nas mãos de Ramon, a goiva (o instrumento utilizado para entalhar a madeira) adquire leveza e detalhes impressionantes.

Atento a todos os detalhes do processo de criação de suas obras, Ramon Rodrigues contrapõe a dureza da prensa com a sutileza de seus traços. Suas gravuras surgem de um imaginário povoado pelas histórias de Edgar Allan Poe e José Posada. Gatos, caveiras, hipnoses e damas misteriosas sobre fundo negro se misturam a penas, chaves, cultura mexicana e outros animais. As texturas e a riqueza de detalhes com certeza encherão seus olhos e suas paredes.

Share

22
Mar 14

Glossário: Original ou Gravura?

Matriz serigráfica em filme de recorte (recortada à mão com estilete pelo artista) e impressões serigráficas. De Oscar Fortunato.

 

Não importa de que assunto estejamos falando, um vocabulário particular sempre vai estar presente. No mundo da arte isso é particularmente importante, pois a denominação representa o meio, a técnica, os pigmentos etc. E isso influencia no valor, na durabilidade, no tipo de moldura e até na maneira de guardar as obras.

Vamos falar de uma técnica que, na verdade, são muitas. A gravura é composta de dois momentos: a criação da matriz e a impressão. A matriz pode ser de materiais variados (pedra, metal, madeira, tela serigráfica etc.) e é a base utilizada para se imprimir.

Muitos artistas utilizam-se da gravura como meio de reprodução de um desenho prévio ou como a própria técnica criadora. Esse último é o caso das litogravuras, xilogravuras e gravuras em metal, em que se cria ranhuras na superfície da pedras, madeira ou folhas de metal respectivamente. Essa matriz é então colocada em uma prensa, onde replicará o desenho. A série resultante deve ser numerada e assinada posteriormente. O seu valor vai depender da tiragem da série, seu número de produção (as primeiras têm maior valor), o material (tipo de papel) e o gabarito do artista.

Originais são, obviamente, mais caros. Como o próprio nome diz, não têm pares. Já as gravuras têm preços mais acessíveis, fomentando o mercado da arte.

Share