09
ago 15

Vixen, de Zé Otavio

 

Galeria abre exposição de Zé Otávio e lança dois novos rótulos de sua cerveja artesanal

Mostra fica em cartaz em Goiânia de 15 de agosto a 8 de outubro

No próximo sábado (15) a Plus Galeria abre nova exposição individual, Vixen, de Zé Otávio. O artista plástico também assina os dois novos rótulos do projeto Cervejas Plus Edições Artísticas, que serão lançadas durante a vernissage.

A mostra conta com 21 obras do artista, que aborda em seu trabalho temas como o corpo humano, a sensualidade, a androginia e o provocativo. Sustentados por uma linguagem pop, cores primárias e elementos caóticos, esses temas ganham uma dimensão de vanguarda nas composições de Zé Otávio, que têm forte alusão ao universo da moda.

Seus trabalhos integraram exposições em Goiânia, São Paulo, China, e outros lugares. Zé também teve suas obras publicadas pela Taschen, editora global especializada em artes visuais, moda e design. Com vasta experiência em ilustração, o artista já colaborou para publicações como Playboy, Superinteressante, Folha de SP, Estadao, Companhia da Letras, entre outros.

A curadora, Lydia Himmen, acompanha o trabalho de Zé com proximidade desde 2010, quando passou a trabalhar com ele. “O artista cresceu muito desde então, tanto em técnica e materiais utilizados, quanto em dimensões”, afirma.

Para ela, o fato de o artista ilustrar para grandes veículos, nacionais e internacionais, colaborou muito para que seu trabalho se tornasse conhecido do grande público. “Vendemos o trabalho dele para o mundo inteiro. E agora temos uma oportunidade incrível de trazê-lo para Goiânia, para que as pessoas que o admiram possam conhecer o artista pessoalmente”, comemora.

As cervejas assinadas pelo artista paulista são produzida de modo artesanal pelo norte-americano Dwain Santee, da moagem até o envase. Os rótulos da Imperial Sout e da Ginger Cristal foram criados por Zé Otávio e aplicado diretamente na garrafa pela técnica da serigrafia, por Oscar Fortunato, com tinta porcelana líquida.

SERVIÇO
O quê: Abertura da Exposição Vixen, de Zé Otávio
Quando: Sábado (15), das 17h às 22h
Onde: Plus Galeria (Rua 114, nº 70, Setor Sul – Goiânia)
Entrada franca. Obras de arte, comidas e bebidas à venda.

 

Marcellus Araújo
Jornalista | assessoria de imprensa e comunicação Plus Galeria de Arte
(61) 9156-7979

 

 

Dos caminhos trilhados por centelhas nos neurônios até as luzes dos postes que vão se acendendo pela noite nas cidades, a vida é movimento. Nossa condição, como animais urbanos, é a da inquietude. Perambulamos olhando, cheirando, tocando o mundo à nossa volta e nos reunimos ao redor da luz na procura dessa fagulha que nos move. A cidade é, então, a nossa selva, e é nela que encontramos as criaturas perambulando em seu habitat.

Observar as pessoas é um hábito curioso, pois tem-se a oportunidade de perceber o quão de animais temos, sob as vestes da civilidade. Observar as pessoas é tirar-lhes a roupa, a pele, as máscaras e possivelmente inserir outras, as nossas, as que só nós vemos.

O que Vixen nos oferece é uma visão particular das criaturas que povoam nossas selvas, despidas de suas vestes de polidez e moral, mas não de sua beleza e de seus instintos.

 

From the paths of the neurons’ sparks to the lights on the poles, which ignite through the city night, life is movement. Our condition, as urban animals, is the one of restlessness. We wander around looking, smelling, touching the world around us and we gather around the light in the search for this spark that moves us. The city is, therefore, our jungle and it’s in it that we can find the creatures roaming in their habitat.
Watching people is a curious habit, for one can glimpse how much of an animal we all are underneath the drapes of our civility. Watching people is removing their clothes, their skin, their masks and possibly giving them other ones, the ones only we can see.
What Vixen offers us is a particular view of the creatures that populate our jungles, stripped from their clothes, politeness and morals, but not from their beauty and their instincts.

Tarik Hermano

 

 

Descrição sensorial das cervejas do Zé Otavio por Dwain Santee :

A Imperial Stout é uma cerveja forte preta do tipo ale. Ela tem na sua composição o malte base tipo pilsen, malte preto, malte cristal, malte de aveia e malte diastático. Na fervura foi colocado melado de cana, que não só contribui com o açúcar, mas também com minerais. O lúpulo aromático Hallertauer Hersbrucker foi acrescentado de forma parcelada, além dacanela. Na fermentação foi utilizado o fermento Fermentis safale US-05, de alta fermentação. A gravidade inicial na fermentação foi de 1.058 e a final 1.016. O “priming” foi feito com glucose de milho. O resultado é uma cerveja bastante encorpada, com aproximadamente 6% de álcool por volume, de coloração negra profunda, aroma com notas de banana, café e chocolate, com sabor ligeiramente adocicado. A espuma é consistente e amarronzada e cremosa.

A Ginger Cristal é uma cerveja clara, produzida com malte base tipo pilsen e malte cristal. Na fervura foi acrescentado o lúpulo Hallertauer Tradition de forma parcelada e gengibre no final da fervura. A fermentação foi produzida com fermento Fermentis safbrew T-58. A gravidade inicial do mosto foi de 1.048 e final 1.006. Após o “priming” com açúcar demerara orgânico o teor alcóolico ficou em torno de 6%. O resultado é uma cerveja clara de tonalidade média, bastante aromática, acentuado amargor e sabor residual de gengibre, que contribui também com uma ligeira picância, sem que o sabor do gengibre domine. A espuma é clara e bastante consistente retendo bem o aroma. O impacto gustativo inicial é bastante forte, mas a habituação fisiológica gustativa torna o sabor bastante agradável após o segundo gole e, de certa forma, até refrescante.